Skip to content

Norte da Grécia: Exercícios militares de repressão de revoltas, no âmbito da OTAN e do exército europeu

03/03/2011

Norte da Grécia: Exercícios militares  de repressão de revoltas, no âmbito da OTAN e do exército europeu

Novos casos de denúncias  de soldados gregos puseram em relevo  a decisão do governo grego, a NATO e a UE de avançarem para a integração e participação das forças militares da Grécia em operações contra o “inimigo interno” e em especial na repressão de manifestações e em insurreições, consideradas por todos os estados como as modernas “ameaças desproporcionadas”.

 

 

De acordo com as queixas dos soldados de vários batalhões da 71ª Brigada Aerotransportada “Pontos”, com sede em Nea Santa Kilkis, norte da Grécia, entre quinta-feira, 3 de Fevereiro e 4 de fevereiro, foram realizados no norte da Grécia na cidade de Koromilá exercícios militares de repressão de manifestações sob a supervisão dos chefes civis e militares das Forças Armadas.

 

 

 

As revelações da  Rede Livre de Soldados de Espartaco sobre a formação da  71 ª Brigada Aerotransportada, em táticas e métodos de repressão de manifestações, descontrolaram o comandante do Batalhão 596 de Argirúpolis. Insultando, ameaçando e aterrorizando os soldados, afirmou: “Somos uma força dirigida pela OTAN. Estamos a ser treinados para reprimir manifestações na  Grécia mas sim noutros países. Amanhã podem nos enviar para o  Egipto para reprimir a revolta. Esse é o nosso papel”.

 

A seguir a carta aberta dos soldados da 71 ª Brigada Aerotransportada:

Carta aberta de soldados da 71ª Brigada Aerotransportada

Repudiamos qualquer participação em operações de repressão de manifestações.Basta de mentiras dos oficiais do Estado Maior e do Ministério da Defesa.A formação dos soldados da Brigada Aerotransportada 71 em Kilkis progride. Ser “boina vermelha” (como se tivéssemos sonhado com ela alguma vez) requer sacrifícios, correr e suar. Como se revelou,  neste tipo de formação  temos que  desempenhar o papel de manifestantes num simulacro de repressão de uma manifestação. Por isso pediram-nos para  não fazer a barba.

A publicidade sobre este assunto e as reclamações provocaram as  primeiras reações.No quartel, na inspeção da manhã, o capitão informou os soldados da existência da denúncia, passando ao ataque e acusando os autores de falta de rigor e de divulgarem mentiras. Falou de cobardia, exortando os soldados a expressarem-se imediatamente, na reunião dessa manhã. Em poucos segundos mostrou a sua verdadeira face, empregando ameaças de encarceramento e de  tribunais militares.

A nossa opinião é semelhante à do resto da população: é uma covardia esconder-se atrás dos galões e da hierarquia, separando a vida no quartel da do resto da sociedade, proibindo até a publicação das “arbitrariedades” que as sentenças judiciais  permitiram a todos os  uniformizados. Trata-se de  resistência, de um direito e de uma obrigação nossa para com o povo grego,  far-lhes conhecimento  da conversão do exército numa guarda civil.

Em seguida, disse-nos que estava apoiado e que não tinha medo de nada. Quanto mais ênfase punha no caso mais se notava que estava numa posição difícil.

 

Como balanço,  uma única carta foi suficiente para lhes causar um problema e pôr em causa  a nossa participação nesta fantochada, a qual, entre outras coisas, é um insulto à nossa dignidade. Se  quisermos protestar,  sabemos onde, quando e por que fazê-lo. E isto nunca será um ensaio para um novo e sofisticado esse tipo de repressão. Em breve enfrentaremos o governo do PASOK- o tal que desmantela e privatizar a Saúde e a Educação, que suspende os direitos laborais e a segurança social, que nos deixa sem trabalho.

 

Mas o melhor ainda estava para vir  com o discurso do comandante. Segundo ele, a Grécia pertence à UE, o exército grego faz parte do Exército Europeu e a partir da primavera é obrigado a ter dois esquadrões da repressão de manifestações!  Esses esquadrões não se destinam a ser utlizados na Grécia, mas para “missões cujo propósito sejam processo de paz”, onde muitas vezes há a necessidade de intervir entre duas “facções em conflito”, como por exemplo, no Kosovo. Trata-se da revelação completa de todo o projeto! Onde estão pois as imprecisões e mentiras de que nos acusam?

 

São os oficiais e o comandante da 71a Brigada Aerotransportada,o Estado-Maior General e o Ministro da Defesa Nacional, que enganam o nosso povo ao utlizarem mentiras propangandísticas.

 

– Que facções em guerra separa agora a OTAN, no Afeganistão?

 

– Desde quando a intervenção da OTAN no Kosovo, onde sérvios e albaneses lhes são hostis, é uma “missão de paz”?

 

– A OTAN e o Exército Europeu não  defendem os interesses dos armadores na Somália?

 

Rejeitamos o termo “missão de paz”, já que nos pomos do lado de nosso povo, que rejeitou os “bombardeamentos humanitária” da OTAN contra o povo iugoslavo, cujo objetivo era o desmembramento do país e a imposição da soberania da OTAN,  os Estados Unidos e a UE.

 

Direta ou indiretamente a OTAN e a União Europeia provocam guerras e conflitos entre civis, formando uma série de novos países com novas correlações políticas, sociais e económicas, ao servço de interesses específicos. Os governos dos países da UE, a administração Bush e a OTAN,  armaram, instruíram e incitaram o chamado Exército  de “libertação” do Kosovo (UCK), os mesmo a que hoje acusam de contrabando de armas, de drogas de mulheres e de crimes contra a humanidade.

 

A OTAN e o Exército Europeu são forças de ocupação, sob o título de “missão de paz” garantem é a estabilidade das novas correlações e dos novos interesses.

Acabemos já  com estas histórias.

 

No Kosovo, Afeganistão, Somália e noutros países, a Grécia não exporta paz, é somente ocupação. É o destino destas missões, descaradamente classistas, que exigem uma nova forma, mais policial.

 

Com o Tratado de Lisboa, a OTAN foi nomeada a garante da Nova Ordem Mundial, mantendo o direito de interferir nos assuntos internos dos países para reprimir as revoltas sociais causadas pela crise financeira. Porque o seu inimigo não é só o que os militares enfrentam  ou os “terroristas”, mas qualquer força social que ameaça o status existente.

 

Contra os manifestantes é necessário mais do que metralhadoras e bamhos de sangue, que podem provocar a opinião pública. No início fazem falta produtos químicos, balas de borracha e cassetetes em número maior ao que a polícia normalmente utiliza. Se a intensidade das explosões sociais o justificar virão os tanques.

 

As novas doutrinas militares da OTAN e do exército europeu são o que nos preocupa. Para elas o Inimigo, em última instância é o que põe em perigo o sistema. Uma parte dos funcionários do governo e o próprio primeiro ministro  elevaram a “ameaça nacional”, una série de questões como os inmigrantes, as greves indeterminadas e as  manifestações massivas..

 

Por que é que deveríamos estar seguros de que os treinos para a repressão das manifestações no âmbito da OTAN e do exército europeu servirão apenas para a Brigada dos Balcãs no estrangeiro? (Não que isso nos vá tranquilizar).

Não deveríamos aprender com a experiência mundial, onde as tropas imperialistas treinadas dos EUA-Espanha-França-Grã-Bretanha, Itália, retornando aos seus países, têm assumido o papel de repressão contra o inimigo interno e de consolidação do ambiente de segurança do regime da autoridade burguesa.

 

É claro que o poder se está a preparar para introduzir o Exército, ainda que indirectamente e num ambiente intimidatório, na “operação” repressão.

 

Já o provaram  na Grécia, em dezembro de 2008, tal como na grande greve geral de 5 de Maio de 2010.

Examinando, no entanto, os exemplos mais  recentes de países africanos, é óbvio que, se o povo quiser, nem o exército os poderá controlar.

.

Rede de Soldados Livres Spartacos

diktiospartakos.blogspot.com

Pare desses exercícios no seguinte vídeo em:

http://www.youtube.com/watch?v=SlF-URQfuoA

 

Ver também: http://en.contrainfo.espiv.net/2011/01/03/inter-state-preparations-for-%E2%80%98the-enemy-within%E2%80%99/

 

Tradução de Emília Cerqueira

 

 

 

Advertisements
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: