Skip to content

«A despesa extraordinária dos submarinos é uma realidade que pesa sobre o Orçamento» (Sócrates)

01/10/2010

«Paulo Portas pergunta sobre TGV, José Sócrates responde

com submarinos»

A aquisição de dois submarinos motivou hoje uma acesa troca de palavras entre o líder do CDS-PP e o primeiro ministro, que levantou a questão depois de Paulo Portas ter perguntado se o Governo mantém o TGV.

No debate quinzenal com o primeiro ministro, José Sócrates, Paulo Portas questionou a intenção do Governo de manter a prioridade do TGV ao mesmo tempo que aplica medidas de austeridade, mas José Sócrates devolveu a crítica afirmando que em 2003, “ano de recessão”, Paulo Portas decidiu comprar dois submarinos.

“E são estes dois submarinos que temos que pagar este ano como despesa extraordinária. Qual é a autoridade que tem para pedir o adiamento do TGV quando em ano de recessão decidiu comprar dois submarinos?”, criticou José Sócrates.

Sobre a questão do TGV, José Sócrates disse que a câmara estava informada do adiamento do troço Poceirão-Lisboa “até que esse projeto tenha condições de financiamento asseguradas nos mercados financeiros” mas frisou que o Governo “não vai desistir dos projetos de modernização da economia”.

Paulo Portas, ministro da Defesa em 2003, respondeu que José Sócrates “acaba de ofender” o Presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, um dos “sete ministros da Defesa do PS” que concordaram com a aquisição dos submarinos.

“Os senhores queriam quatro submarinos. Tiveram sete ministros da Defesa, um deles hoje presidente desta casa que o senhor acaba de ofender”, afirmou Portas, defendendo que as forças militares não devem ser “palco da disputa política”.

Sempre ao “ataque”, José Sócrates frisou que a “despesa extraordinária dos submarinos” vai ter que ser paga com receitas extraordinárias e que essa é “uma realidade que pesa sobre o Orçamento”.

Perante a insistência do primeiro ministro com o tema, Paulo Portas considerou que “deve ser má consciência por ter afundado o país” e questionou o “sentido de Estado” de Sócrates.

“Deve ser assim que quer o Orçamento aprovado”, atirou Paulo Portas no final da sua intervenção.

(Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.)

Com Lusa

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: