Skip to content

DECLARAÇÃO DA CAMPANHA «NO TO WAR NO TO NATO» SOBRE AFEGANISTÃO

23/01/2010

O debate sobre a guerra no Afeganistão e Paquistão atingiu um ponto crítico. A opinião pública de todo o mundo tem estado atenta e opõe-se à escalada da guerra, que tem sido vendida como «nova estratégia» pelos governos mais influentes da NATO. Até os meios de comunicação convencionais reflectem este debate e desilusão.

Nós sabemos que os conflitos nunca são resolvidos através de guerras.

Os 192 países-membros da ONU foram convidados a participar na Conferência Internacional sobre o Afeganistão em Londres a 28 de Janeiro de 2010. Esta conferência foi convocada por Gordon Brown depois de Nicolas Sarkozy e de Angela Merkel a terem anunciado há alguns meses atrás. Provavelmente, os únicos membros de governos aí presentes serão representantes dos países ocidentais e dos seus estados vassalos. Pode-se esperar pouco mais do que uma reavivar da campanha pública com vista a arrebanhar apoio à sua «nova estratégia» para a guerra, inspirada pela NATO.

Os movimentos para a Paz, as ONG pelos Direitos Humanos, os partidos políticos, sindicatos e indivíduos de todo o mundo que lutam pela paz, a justiça e a liberdade irão encontrar-se nesta ocasião. Temos apelado às organizações e activistas de todo o mundo para se juntarem a nós e se comprometerem na procura de uma solução comum e pacífica ao nível internacional para este beco-sem-saída do Afeganistão.

Um fim para a guerra obriga a que as tropas da NATO sejam retiradas do Afeganistão. Globalmente, precisamos e portanto estamos a trabalhar para, a dissolução e desmantelamento da NATO em ordem a contribuir para a segurança internacional. A NATO pode apenas trazer mais guerra. Nunca foi (e nunca virá a ser) uma organização destinada à nossa protecção e segurança. Depois de cerca de 9 anos de presença da NATO no Afeganistão, a situação actual reflecte a verdadeira natureza da NATO: uma aliança militar concebida para impor a vontade das elites dos países ocidentais.

São precisas respostas políticas e civis à crise no Afeganistão e Paquistão. Têm de respeitar as decisões do povo afegão e requerem soluções que envolvam todos os países vizinhos. Tais respostas poderiam incluir um programa não-militar sob liderança da ONU para substituir os militares sob mandato do ISAF no Afeganistão.

O Afeganistão precisa realmente de um real processo de reconstrução, em termos materiais, políticos e sociais e isto nãso se pode levar a cabo com balas, bombas e bombardeiros

Berlim, Boston, Londres, Paris

Declaração do Comité de Coordenação Internacional da Campanha

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: