Saltar para o conteúdo

A solução de Gaza não pode ser um Estado!

29/12/2009

 Uma análise, à priori, sobre a  situação actual na Faixa de Gaza só pode ser uma: o estado de Israel está a cometer atrocidades que devem acabar imediatamente. Mas isto não é tudo o que há para dizer sobre a situação.  Uma análise anarquista do conflito e da sua solução.

Com centenas de mortos e milhares de feridos, tornou-se cada vez mais claro que o objectivo da operação militar, que esteve a ser planeada desde a assinatura do cessar-fogo original, em Junho, era destruir o Hamas completamente. Seguiu-se o bloqueio, depois do ataque que minou toda o suposto “cessar-fogo” e que destruiu a vida dos moradores de Gaza, arruinando a infra-estrutura civil e criando uma catástrofe humanitária a que qualquer pessoa com um mínimo de humanidade não poderrá ficar indiferente.
Nos dois lados do conflito tornou-se preocupantemente comum a ideia de que a oposição a Israel tinha que significar o apoio ao Hamas e ao seu “movimento de resistência”. Mas é de todo importante rejeitar esta relação de causa-efeito. O Hamas, como todas as outras principais facções palestinianas, está disposto a sacrificar o povo palestiniano para aumentar o seu poder e influência. Não se trata de mera retórica – num período recente, em Gaza, a maioria das mortes foram resultado de confrontos entre o Hamas e a Fatah. As “opções” oferecidas aos palestinianos comuns são entre bandidos islâmicos (Hamas, Jihad Islâmica) ou gangsteres nacionalistas (Fatah, Brigadas dos mártires Al-Aqsa). Estes grupos têm demonstrado a sua vontade de atacar as tentativas da classe trabalhadora para melhorar as suas condições de vida, através da apreensão de escritórios dos sindicatos, a retenção de parte significativa de bens de primeira necessidade e a proibição de greves e manifestações. Um exemplo flagrante foi o ataque à Radio dos Trabalhadores da Palestina pelas brigadas dos mártires de Al-Aqsa, por “alimentarem conflitos internos”. Uma Palestina livre sob o controle de qualquer um destes grupos seria a sua negação.
Como anarquistas, somos internacionalistas, opondo-nos à ideia de que governantes e governados, dentro de uma nação, têm interesses em comum. Portanto, os anarquistas rejeitam o nacionalismo palestinianoo como rejeitam o nacionalismo de Israel (sionismo). As etnias não concedem “direitos” de terras, que obriguem o Estado a aplicá-los. As pessoas, por outro lado, têm o direito de ter as suas necessidades humanas básicas satisfeitas assim como devem poder viver onde escolherem, livremente.
Portanto, contra as divisões e falsas opções instituídas pelo nacionalismo, apoiamos plenamente e comumente os habitantes de Gaza e de Israel contra a guerra do estado – não por causa da sua nacionalidade, etnia ou religião – mas simplesmente porque o que eles vivem é comum, o sentir, o pensar, sofrendo, lutando, como seres humanos. E esse apoio tem que significar hostilidade total para com todos aqueles que oprimem e exploram, no estado de Israel, assim como para com os governos e as empresas ocidentais que o abastecem com armas, mas também hostilidade total para com quaisquer outras facções capitalistas que procuram utilizar o povo palestiniano como peão nas suas lutas de poder. A única solução real é aquela que é colectiva, baseada no facto de que, em última análise, os trabalhadores de ambos os povos não têm nada a perder e tudo a ganhar em acabar com este sistema – o capitalismo – e os estados e as guerras que deles se alimentam.
Que esta possa parecer uma “solução” difícil não impede que este seja o caminho certo. Qualquer solução que signifique ciclos intermináveis de conflito, que é o que o nacionalismo representa, não é solução. E se esse for o caso, o facto de ser “mais fácil” é irrelevante. Há sectores da sociedade palestiniana que não são dominadas pelos pretensos governantes – os protestos organizados pelos comitês de aldeias na Cisjordânia – por exemplo. Estes merecem o nosso apoio. Como também merecem o nosso apoio os que em Israel se recusam a lutar e que resistem à guerra. Mas não os grupos que dizem representar os palestinianos para estes serem abatidos em seu nome por um dos exércitos mais avançados do mundo o qual deliberadamente ataca civis, do outro lado da fronteira.

Tradução livre de um comunicado de imprensa da Federação Anarquista do Reino Unido, em www.libcom.org, por Emília Cerqueira

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: